quinta-feira, 26 de junho de 2008

João ninguém


Dentro daquele copo havia uma mensagem, e naquela garrafa cheia de saudades dançavam nuas na bebida todas as vontades.. E na demência das horas mal vividas, a pele úmida pelo sereno das noites se combina com o rosto triste de barba quase crescida.
É um homem simpático,de médio porte,tem todos os dentes,mora sozinho,sem filhos,35 anos, com aparência mais jovem.Seu único vício é a "malvada".

Um comentário:

Winnee Louise disse...

Passeando por aqui...
Adorei este post, bela descrição, agradável aos sentidos, de certo.
A avidez também é bela descrita. A poesia embriagada.