domingo, 7 de junho de 2009

jo-ga pe-dra
de
repente.
a pedra só doi
no pé que caiu.
na mão que soltou
nada se sente.

Um comentário:

EDER RIBEIRO disse...

Tua poesia sintetiza o homem moderno que fere e nada sente. bjos.